Páginas

Loading...

sábado, 28 de dezembro de 2013

Fim do Ano e o Acordo Ortográfico


Hoje faz um ano que a Presidente Dilma Rousseff assinou o decreto colocando o fim do período de transição para 31 de dezembro de 2015. Com isso, o Movimento Acordar Melhor chegou a seu objetivo: sensibilizar o governo brasileiro para um novo debate sobre o Acordo Ortográfico.

Com a posse do Professor Ernani Pimentel como Presidente do Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa, da Academia de Letras de Brasília, este deu prosseguimento à discussão sobre o Acordo Ortográfico, apontou os problemas do Acordo e fez suas críticas no Grupo de Trabalho em Portugal.

Claro que a consulta não deve ser feita à população em geral porque um usuário da língua não entende o seu funcionamento como o fazem os especialistas.  Por melhor que seja um escritor, na qualidade de usuário da língua, ele não tem o suporte técnico para demonstrar as melhorias.

Em Portugal, o Professor Ernani Pimentel sugeriu que os especialistas da Associação Portuguesa de Linguística, os especialistas do Instituto de Linguística Teórica e Computacional fizessem, juntos, um trabalho de estudos e pesquisas em relação ao Acordo Ortográfico. Aqui no Brasil, a proposta é a mesma, contando com a Academia Brasileira de Filologia, a Associação Brasileira de Linguística e a Associação de Linguística Aplicada do Brasil.

Não só Portugal e Brasil, os outros países deverão apresentar uma proposta até o final do semestre de 2014, quando acontecerá o Simpósio Liguístico-Ortográfico da Língua Portuguesa, na Academia de Letras de Brasília.

Muita coisa ainda pode acontecer até 31 de dezembro de 2015

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Gramática pela Prática


Gramática pela prática apresenta uma metodologia inovadora que desloca o foco do "como se ensina" para o "como se aprende", instigando no estudante um assimilar, aprender com autonomia que se realiza por meio da observação de gráficos, análises, raciocínios e deduções lógicas referentes ao sistema linguístico. Em suas páginas, o aluno revela-se um coautor capaz de, a partir da competência adquirida pela prática, chegar a elaborar com proficiência as definições e teorias.

Edição Revista e Ampliada conforme a Nova Ortografia; 

Acréscimo do capítulo "Estruturas e Formação de Palavras"; 

Ampliação do capítulo de Ortografia" com as regras do Novo Acordo de forma didática e diferenciada do texto geral; 

Inserção de conceitos e exercícios.

Autor:

Ernani Pimentel

Ex-seminarista, gramático com formação em Língua Portuguesa, Latim e Linguística pela USP.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Discutir Novo Acordo Ortográfico


Dois professores brasileiros sugeriram hoje na Assembleia da República a constituição de um plano de trabalho e de um sítio na internet dirigido a todos os países lusófonos para discutir o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Na sua primeira visita oficial a Lisboa em representação do grupo de trabalho do Senado Federal do Brasil sobre o AO, Ernani Pimentel, professor de português, e Pasquale Cipro Neto, também professor de português e colaborador da Folha de São Paulo, compareceram esta tarde perante a Comissão de Educação, Ciência e Cultura, do parlamento português, para avaliar a disposição em reabrir o debate sobre o acordo.

O plano apresentado sugere entre alunos e professores de todos os países lusófonos "sobre atitudes ortográficas e simplificadoras" durante o primeiro semestre de 2014. Em agosto, cada país deverá reunir as suas sugestões, que, por fim, serão abordadas num "Simpósio Linguístico-Ortográfico" organizado pela Academia de Letras de Brasília em setembro de 2014.

Na exposição perante a comissão, na presença da deputada Rosa Arezes (PSD),  Gabriela Canavilhas (PS),Michael Seufert (CDS/PP), Miguel Tiago (PCP) e Luis Fazenda (BE), os dois professores protagonizaram uma autêntica lição de ortografia e semântica e não pouparam um AO onde "há situações sem respostas".

"Há diferenças entre o texto e o que foi feito com ele. Reformar a reforma, que contém uma série de incorreções, é a proposta", sublinhou Pasquale Cipro Neto na sua intervenção.

Já Ernani Pimentel, que também coordena o grupo de trabalho do Senado Brasileiro, alertou para a necessidade de os professores "entenderem" o que ensinam e não se contradizerem, "para que os alunos não deixem de acreditar neles", e admitiu "casos de alunos na universidade brasileira com inúmeros erros de ortografia numa redaçãoe nota máxima".

Fonte:http://blog.opovo.com.br/portugalsempassaporte/linguistas-brasileiros-sugerem-plano-a-portugal-para-discutir-novo-acordo-ortografico-no-espaco-lusofono/

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Domício Proença Filho



Quando aconteceu a polêmica sobre os livros de Monteiro Lobato, deveriam ter procurado saber a opinião do acadêmico Domício Proença Filho.

Perceba que ele tem autoridade sobre o assunto, não por ser membro da Academia Brasileira de Letras, mas pelo que estudou e ensinou.

Bacharel e Licenciado em Letras Neolatinas pela antiga Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (1957);
Especialista em Língua e Literatura Espanhola (1958);
Doutor em Letras e Livre-docente em Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Santa Catarina (1974).

Professor Titular de Literatura Brasileira (1971-1992);
Professor Titular Convidado de Literatura Brasileira (1994-1996) ;
Professor Emérito da Universidade Federal Fluminense (2002).

domingo, 24 de novembro de 2013

Encontro de Agencias de Notícias da Língua Portuguesa


Na segunda-feira (25) e terça-feira (26), representantes das agências de notícias dos oito países que compõem a Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) vão participar da VI Assembleia das Agências de Informação de Língua Portuguesa. Entre os temas que serão debatidos está a criação de um portal conjunto e a escolha de um padrão oficial para o site.

O encontro sediado na Empresa Brasil de Comunicação (EBC), em Brasília, reúne as principais agências públicas de notícias, estatais e oficiais de Angola (Angop), Brasil (EBC), Cabo Verde (Infopress), Guiné-Bissau (ANG), Moçambique (AIM), Portugal (Lusa), São Tomé e Príncipe (STP-Press) e Timor -Leste (Etna).

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-11-24/encontro-de-agencias-de-noticias-dos-paises-de-lingua-portuguesa-discute-criacao-de-portal

sábado, 23 de novembro de 2013

Entrevista com José Carlos Azeredo


O Prof José Carlos Azeredo, que chegou a trabalhar com Antônio Houaiss (1915-1999), disse que o filólogo teve carta branca da Academia Brasileira de Letras para participar das discussões que culminaram no Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, em vigor  desde 1 de janeiro de 2009.

"Antônio Houaiss era o único representante brasileiro. Ele era uma autoridade no assunto, apesar de muitos especialistas acharem que deveria ter havido maior discussão", afirma.

Para o professor Azeredo, a ABL permitiu que apenas um representante brasileiro participasse dos debates "porque o acordo de 1990 copiou em larga medida a reforma ortográfica de 1945". Essa mudança foi um acordo firmado entre Brasil e Portugal, mas foi o seguido apenas por este último. "O Brasil acabou se sentindo prejudicado e permaneceu no acordo de 1943", diz o professor.

O texto de 45 já previa, por exemplo, a extinção do trema e a abolição do acento agudo nos ditongos abertos nas proparoxítona, medidas que foram implantadas no Brasil com o novo acordo, mas que já estavam em prática em Portugal desde a segunda metade de 40. "O que se decidiu em 1990 é, na verdade, uma extensão ao Brasil daquilo que Portugal já praticava. As inovações são principalmente em relação ao hífen", diz o gramático.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/noticias/2009/02/02/houaiss-nao-contou-os-bastidores-do-acordo-diz-gramatico.htm

sábado, 16 de novembro de 2013

Ernani Pimentel em Portugal


A página Simplificando a Ortografia visa estabelecer o "diálogo" sobre o tema e de "abrir um ponto de debate para que os representantes de todos os países de língua portuguesa possam emitir sua opinião", explicou Ernani Pimentel à Lusa.

O linguista, que é presidente do Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa da Academia de Letras de Brasília, liderou o "Movimento Acordar Melhor", que resultou num livro em 2008, com críticas ao Novo Acordo Ortográfico, e conseguiu 23 mil assinaturas contra as novas regras.

O abaixo-assinado foi enviado à Comissão de Educação, Cultura e Esportes do Senado e isto resultou no adiamento da obrigatoriedade do novo acordo no Brasil de janeiro de 2013 para janeiro de 2016.

"Agora partimos para o plano internacional, com o 'Simplificando a Ortografia'. Não nos interessa jogar pedras, mas buscar medidas concilitórias e evolutivas. A nossa intenção é adequar o acordo antes que ele seja obrigatório", afirmou. 

A reunião conjunta de sugestões ocorrerá até o fim do primeiro semestre de 2014, para que o documento possa ser apresentado em setembro do mesmo ano, quando terá lugar um simpósio linguístico-ortográfico da língua portuguesa em Brasília.

O linguista chega a Portugal no dia 15, e faz uma conferência na Assembleia da República. Ernani Pimentel afirmou que estará disponível para conversar também em universidades, academias de letras e escolas de segundo grau. Entre os dias 25 e 28 de novembro, também estará o professor Pasquale Cipro Neto.

sábado, 9 de novembro de 2013

Ernani Pimentel na Academia de Letras de Brasília


O Prof. Ernani Pimentel, criador do Movimento Acordar Melhor, foi empossado como presidente do Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa, em 21 de março de 2013.

O presidente da Academia, José Carlos Gentili, disse que Pimentel tem uma missão árdua a partir de agora. "Decidimos convidá-lo para assumir a coordenação do setor de linguística da Academia Brasiliense de Letras pelo trabalho de excelência desenvolvida durante anos como professor e pela luta com o projeto 'Acordar Melhor'...".

O Professor e agora membro da Academia de Letras de Brasília, afirmou está feliz com o novo desafio: "Assumir a presidência do Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa, ecoa-nos como oportunidade e estímulo de arregaçar as mangas e trabalhar objetivamente para o resultado prático de simplificar, baratear e aprofundar a Educação, a começar pelo ensino da Língua Portuguesa, portal de entrada para todos os ramos do conhecimento", anima-se Pimentel.

O filólogo pretende implantar, junto com o Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa, o acordo ortográfico, para, assim, trabalhar pela simplificação da ortografia e a evolução linguística e pedagógica no mundo atual.

Fonte:http://www.vestcon.com.br/noticia/ernani-pimentel-toma-posse-academia-letras-brasilia.aspx

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Grupo de Trabalho Debate Sobre o Acordo


O grupo de trabalho criado para propor a simplificação e o aperfeiçoamento do novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa discutiu seu plano de trabalho nesta quinta-feira (17/10/2013). A intenção é apresentar, até março de 2015, uma proposta à Comissão de Educação, Cultura e Esportes. O texto, então, será levado ao Executivo, que poderá discutir as mudanças com os outros países de língua portuguesa.

As regras do acordo foram discutidas pela primeira vez em 1975 e assinadas em 1990. Após um longo período de transição, a implementação no Brasil estava prevista para janeiro de 2013, mas a o prazo foi prorrogado para janeiro de 2016 por meio de decreto da Casa Civil. A sugestão partiu dos professores Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto, hoje coordenadores do grupo de trabalho, e teve o apoio dos senadores integrantes da Comissão de Educação. Após o adiamento, a Comissão de Educação criou o grupo, com a aprovação de requerimento dos senadores Cyro Miranda (PSDB-GO) e Ana Amélia (PP-RS).

Fonte: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2013/10/17/especialistas-discutem-simplificacao-do-novo-acordo-ortografico 

Grupo de Trabalho para Avaliar Acordo



A Comissão de Educação, Cultura e Esporte aprovou no dia 1 de outubro de 2013 a criação de um grupo de trabalho destinado a estudar e apresentar proposta para aperfeiçoar o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, firmado em 1990 por todos os países de língua portuguesa. As informações são da Argência do Senado.
O Presidente da Comissão de Educação, senador Cyro Miranda (PSDB-GO) autor do requerimento para a criação do grupo, junto com a senadora Ana Amélia (PP-RS) explicou que o acordo entraria em vigor no dia 1 de janeiro de 2013, mas o início da vigência foi adiado para o início de 2016 porque  muitos países ainda não estavam preparados para as mudanças previstas.
Para isso, senadores da Comissão de Educação do Senado mantiveram entendimento com o governo, no final do ano passado, o que resultou na publicação do decreto da presidente Dilma Rousseff permitindo o adiamento.
O novo decreto ampliou o período de transição até 31 de dezembro de 2015. Até lá coexistirão a norma ortográfica atualmente em vigor e a nova norma estabelecida por meio do acordo.
A preocupação do senador Cyro Miranda é que ao final de 2015 o Brasil se encontre na mesma situação do final do ano passado. O objetivo do grupo de trabalho, segundo o senador é contribuir para que o país tenha uma proposta para simplificar e aperfeiçoar o acordo. A ideia é fazer com que o grupo trabalhe com especialistas dos outros países de língua portuguesa.
O grupo terá a participação dos professores Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto e do senador Cristovam Buarque.

Fonte: http://www.diariodeguarapuava.com.br/noticias/brasil/2,38697,06,10,comissao-cria-grupo-de-trabalho-para-aperfeicoar-acordo-ortografico.shtml

Bechara defende o Acordo Ortográfico


Terminaria em 31 de dezembro de 2012 o prazo para a adaptação dos brasileiros ao novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Mas pressão de vários setores da sociedade, insatisfeitos com as novas  regras, acabou adiando o período de adaptação às novas regras para o último dia do ano de 2015. O adiamento reacende o debate sobre as regras ortográficas, muito embora jornais, revistas, livros didáticos e documentos oficiais já tenham adotado o novo acordo.

Um dos líderes da ala insatisfeita é o professor Ernani Pimentel. Para ele,o acordo não segue uma lógica clara: "Como se ensina que 'mandachuva' se escreve sem hífen e 'guarda-chuva' com hífen, se as duas palavras se as duas palavras\são formadas por verbo e substantivo? Como se ensina que 'super-homem' se escreve com hífen, por causa da letras 'h', mas 'desumano' não tem 'h' nem hífen?", questiona ele.

Já para o professor Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras, é muito cedo para fazer questionamento. "Para o grande público, a implementação de um acordo depende da memória visual das palavras", diz o gramático. Ele não compartilha das críticas sobre o emprego do hífen, já que a dificuldade de seu uso não é exclusividade do português.

Fonte: http://www.multirio.rj.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=777:feliz-ano-novo-com-ortografia-nova&catid=23&Itemid=118

sábado, 27 de julho de 2013

CPLP vai avaliar difusão do Acordo Ortográfico


Os chanceleres dos oito países que formam a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vão avaliar em outubro deste ano as ações de promossão e difusão do idioma durante a II Conferência Internacional sobre o futuro da Língua Portuguesa.

De acordo com Ivo Castro, professor de Linguística na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que participa da organização, o evento vai tratar especificamente do "rítimo da execução" das ações projetadas no Plano de Ação de Brasília, aprovado em 2010, quando ocorreu a primeira conferência. O plano envolve estratégias de implantação da Língua Portuguesa nas organizações internacionais, promoção do ensino do idioma e a implementação do Acordo Ortográfico.

A expectativa dos organizadores é positiva. "Houve avanços claros em várias áreas, como a criação do Portal do Professor, a constitução de vocabulários e algumas discussões sobre política e presença do portguês nas organizações internacionais", assinala João Costa, professor do Centro de Linguística da Universidade Nova Lisboa e também da organização do evento.

Apesar da opinião favorável, João Costa admite a falta de apoio dos países na promoção do idioma. "É difícil dar passos menos tímidos sem investimento dos países nesta matéria". Oito dos sete países da CPLP, incluindo o Brasil, estão em atraso com a anualidade a ser paga ao instituto da comunidade que deve executar o Plano de Ação de Brasília.

Assim como as ações de implementação do Acordo Ortográfico de 1990, ainda não ratificado em Angola e Moçambique e até hoje, muito criticado em Portugal. Segundo João Costa, "o Acordo Ortográfico está assumido por todos", mas "faz falta uma maior clarificação conjunta de prazos e valores".

Além do plano de Brasília e do estado de implementação do Acordo Ortográfico, a programação da II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa quer tratar do uso da língua na produção científica. Para os organizadores da conferência, a estratégia é a discussão. "A validade de uma língua se mede, entre outros critérios, pela sua capacidade de criar terminologias e estilos capazes de descrever um mundo de constante renovação e de atuar sobre ele", ressalta Ivo Castro.

Fonte: http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/07/sem-acordo-ortografico-ratificado-em-todos-os-paises-cplp-vai-avaliar

domingo, 7 de julho de 2013

Verdadeira Especialista é Contra o Veto



Laura Cavalcanti Padilha explica que o veto é uma censura a Monteiro Lobato, e que não se pode aplicar a uma obra publicada em 1933 o mesmo olhar de 2010. Ela sugere não retirar o livro, mas aproveitar para incentivar um debate sobre preconceito racial.

Trata-se de uma pesquisadora séria e que entende melhor da questão do que o que levantou tal polêmica.

Sobre Laura Cavalcante Padilha

Graduada em Letras Neolatinas pela Universidade do Brasil;
Mestra em Letras Vernáculas pela Universidade Federal Fluminense;
Doutora em Letras Vernáculas pela Universidade Federal Fluminense:
Pós-doutora em Estudos Comparados de Literatura de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo.

OAB contra o veto a Monteiro Lobato


O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante pediu na quinta-feira (04/10/2010) que o Ministério da Educação reveja o Parecer que recomendou restrições na distribuição em escolas públicas de ensino médio do livro Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato.

"O Ministério da Educação precisa rever essa decisão e deve desculpas ao país, não sendo aceitável que apresente uma mera justificativa", afirmou Ophir Cavalcante, em discurso de entrega do prêmio Francisco Cunha Pereira Filho, na sede da OAB-PR, Curitiba.

Ao falar que estava indignado devido ao conteúdo ter sido considerado preconceituoso e racista, disse:"Nós, que somos filhos literários do autor do Sítio do Pica Pau Amarelo, cuja sensibilidade indicou que um país se faz com homens e livros, não podemos aceitar tamanho absurdo. É um duplo insulto: à cultura nacional e à memória de um grande brasileiro"

Fonte: http://www.1.folha.uol..b/saber?

A ABL e o veto ao livro Caçadas de Pedrinho


A Academia Brasileira de Letras se posicionou sobre o Parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) que classificou o livro Caçadas de Pedrino de cunho racista.

Segundo a nota emitida pela Academia Brasileira de Letras:"Cabe aos professores orientarem no desenvolvimento de uma leitura crítica. Um bom leitor sabe que Tia Nastácia encarnava a divindade criadora do Sítio do Pica Pau Amarelo. Se há quem se refira a ela como ex-escrava e negra, é porque essa era a cor dela e essa era a realidade dos afro-descendentes no Brasil naquela época. Não é um insulto, é uma triste constatação".

Fonte: //veja.abril.com.br/noticia/educacao/abl/

Revisão do Parecer do CNE



O Conselho Nacional de Educação (CNE) decidiu rever o Parecer sobre o livro Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, e recomendou a contextualização histórica da obra literária. A decisão de 2010 recomendava a não distribuição da obra em escolas públicas ou a inserção de ressalvas.

A preocupação era com passagens relativas à Tia Nastácia, retratada como "macaca de carvão". O texto atual também ressalta que não se deve vetar o acesso dos estudantes a nenhuma obra literária.

Fonte: Jornal do Commercio, 3 de junho de 2011, caderno brasil, p.10

Veto à Caçadas de Pedrinho


Antonio Gomes da Costa alegou que a obra Caçadas de Pedrinho era racista, isso aconteceu em 2010. O Parecer do CNE/CEB n 15/2010, teve como relatora a professora doutora Nilma Lino Gomes (foto).

 Qual é o preparo dele?

Graduado em Pedagogia e Mestrando em Educação pela UNB.

A relatora:

Graduada em Pedagogia pela UFMG;
Mestra em Educação pela UFMG.
Doutora em Ciências Sociais pela USP.

Mas o que entenderam de Monteiro Lobato?

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Carta Pedindo a Revogação do Acordo Ortográfico


Depois que o Governo brasileiro ter adiado por três anos a obrigatoriedade de aplicação do Acordo Ortográfico para 1 de janeiro de 2016, um grupo de cidadãos portugueses enviou uma carta aberta ao ministro da Educação e Ciência com "um estudo comparativo das incongruências ortográficas existentes entre o texto do Acordo Ortográfico de 1990 e vários vocabulários ortográficos e dicionários".

O linguista Rui Miguel Duarte, autor do estudo, comparou os vocabulários da Academia Brasileira de Letras, coordenado por Evanildo Bechara; o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Porto editora, coordenado por João Macala Casteleiro; o Vocabulário Ortográfico Português, do Instituto de Linguística Teórica e Computacional; os dicionários da Língua Portuguesa da Porto Editora - com o Acordo Ortográfico, da Língua Portuguesa Online da Priberan e também do conversor ortográfico Lince, desenvolvido pelo ILTEC.

A conclusão deste cruzamento de informação é descrita como "caos ortográfico", pois "estes vocabulários apresentam discrepâncias na grafia dos mesmos vocábulos, em questões em que o AO90 era incongruente, incorreto ou omisso, resolvidas de formas divergentes, o que configura uma verdadeira certidão de óbito do AO90".

Rui Miguel Duarte é Doutor em Literatura e investigador Pós-doutorando do Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras de Lisboa.

Fonte: http://www.publico.pt/cultura/noticia/carta-aberta-a-nuno-crato-pede-para-revogar-acordo-ortografico-1580172

A ABL não leva a Língua Portuguesa para a ONU


O adiamento para 2016 da definitiva entrada em vigor do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa frustrou o projeto da Academia Brasileira de Letras (ABL) de desenvolver um amplo movimento para que o idioma passasse a ser adotado como língua de trabalho oficial das Organizações das Nações Unidas (ONU). A Diretoria da ABL, em sua primeira reunião deste ano, divulgou hoje, quarta-feira, dia 23 de janeiro, nota lamentando a decisão e afirmando que, nos primeiros dias de 2013, tão logo a obrigatoriedade da  unificação ortográfica passasse a vigorar plenamente, levaria essa demanda a todos os organismo internacionais.

Ainda segundo a nota, não haveria mais desculpas para que os fóruns oficiais de política exterior continuassem a passar ao largo de um idioma de mais de 260  milhões de falantes, a pretexto das discrepâncias da grafia entre os países que compõem seu universo. "Consequência lógica da simplificação da escrita consagrada no Acordo seria o reconhecimento da crescente importância da lusofonia no cenário internacional e o coroamento natural de um longo processo, amadurecimento sem querer açodamento", afirma o documento. E prossegue:"Houve bastante tempo e oportunidade para que os descordantes se manifestassem. É uma pena que tenham deixado para forçar um adiamento unilateral nas últimas horas do prazo".

Fonte: http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=14431&sid=960

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

A Nova Ortografia a seu alcnce


Ainda que a entrada em vigor do Acordo Ortográfico tenha ficado para o dia 1º de janeiro de 2016,  por isso é interessante que as pessoas já comecem a estudar o que mudou. Os livros didáticos já trazem a nova ortografia, as gramáticas já trazem as explicações das regras.

Além dos livros didáticos, há blogs e sites explicando as novas regras, há cursos online e só não se atualiza quem não quer.

Mas a antiga está valendo até 31 de dezembro de 2015.



terça-feira, 1 de janeiro de 2013

A Nova Ortografia deve ser corrigida



Hoje (01/01/2-013) deveria entrar em vigor apenas a nova ortografia, mas com o Decreto nº 7.875, de 27 de dezembro de 2012, a data da entrada definitiva ficou para 1º de janeiro de 2016. Entretanto, o que estão divulgando em vários sites e blogs é que será um prazo maior de adaptação. Quando houve a proposta de adiamento, houve também a proposta de uma revisão. Caso isto não ocorra,  seria melhor ficar com a Ortografia de 1971. Para aquela Reforma houve a participação da Academia Brasileira de Filologia, da Academia Brasileira de Letras, da Academia das Ciências de Lisboa, do Conselho Federal de Educação, do Conselho Federal de Cultura e de uma Assessoria Parlamentar de filólogos renomados para aquele momento. Trabalhara durante 4 anos na elaboração da Reforma Ortográfica.

Agora que se trata de um Acordo Ortográfico adotado entre 8 países, no Brasil, apenas a Academia Brasileira de Letras elaborou o VOLP e tomou parte no processo do Acordo. Evanildo Bechara e Domício Proença, ambos da Academia Brasileira de Letras, são também membros da Academia Brasileira de Filologia.

Bechara é Bacharel e Licenciado em Letras Neolatinas, com Aperfeiçoamento em Filologia Românica, e Doutor em Língua Portuguesa, ao passo que Domício Proença Filho é Bacharel  e Licenciado em Letras Neolatinas, com Especialização em Língua e Literatura Espanhola e Doutor em Literatura Brasileira.

Os outros membros da Academia Brasileira de Letras não têm como participar de um trabalho como o da elaboração do VOLP. Quanto aos membros da Academia Brasileira de Filologia, tanto Bechara quanto Domício Proença só são membros porque todos os membros são especialistas na área.

Se não for levado em conta o preparo dos especialistas,é melhor rasgar o Acordo por ser confuso e inválido.

Arquivo do blog

Postagens populares